SAFT-PT tanga ou burla???

Fui agora ao site do oficial do SAFT procurar umas informações que necessito, e qual não é o meu espanto quando olho para o rodapé e vejo “Powered by Sage”.

Ora se Sage é uma empresa que comercializa um ERP, porque é que dita as regras para auditorias do estado?? Pelo que sei a Sage foi a unica software house a pronunciar-se na elaboração do SAFT, já não digo envolver todas as software houses mas pelo menos nomes como a Primavera e PHC deviam ser ouvidos uma vez que tem uma fatia grande do mercado.

Se eu tenho um produto e se me pedem para ditar as regras para auditorias do estado é obvio que vou fazer fazer as regras de forma a favorecer o meu produto, logo tenho uma posição priveligiada perante a concorrencia, onde está a autoridade que regula a concorrencia nestas alturas??? Já na altura que se começou a falar em SAFT tinha ouvido algo do genero mas nunca imaginei que o cumulo fosse o que presenciei.

E ainda na pagina do SAFT existe um software para analisar os ficheiros produzidos pelos sistemas informaticos, e quem fez o software ??? a Sage!!!

Alem do rodape que diz powered by … existe uma publicidade á SAGE que quando activa ocupa meia pagina.

Nada impede que uma software house produza software para o estado, mas dai a ditar regras e standards vai um longo caminho, e outros valores se levantam.

Sei que já é um bocado de teoria da conspiração a mais, mas o e-mail de contacto presente na pagina que comercializa o software que valida o SAFT é o mesmo e-mail que aparece como contacto no site do SAFT, leva-me a pensar que quem faz o controlo é uma empresa que de imparcial não pode ter nada. 

Por toda esta conspiração concluo que quem tem SAGE está legal quem não tem terá problemas, a minha sugestão é a imigração!!!!

Ora alguem que esteja a ver isto “com olhos de ver” o que pensa?

26 comentários em “SAFT-PT tanga ou burla???”

  1. O site em causa é da Sage, dai a publicidade.

    O que é lamentável é que a única informação disponivel de uma forma clara e directa seja prestada por uma entidade privada e não pelo estado, que é a quem compete tal responsabilidade.

  2. A estrutura de dados exigida pela SAFT está disponivel da página da Associação Portuguesa de Software.

    POr exemplo a centralgest vai disponibilizar um analisador de SAFT gratuito, e o projecto colibri também já está a elaborar o seu em open source.

    o SAFT não é mais que um ficheiro xml, standarizado, A ASOFT escolheu o standart da SAGE, mas a estrutura é aberta, logo, não se colocam questões de concorrência.

    Poderia perguntar-se é se não haveria empresas que produzissem um standart melhor para as necessidades do Estado.

  3. Pelo que soube junto de outras software houses, quando se falou de SAFT já estava tudo definido com a SAGE outras como a Primavera e PHC não foram sequer ouvidas, nem tiveram direito de se prenunciar.

    Agora imagine que uma marca de carros é que faz os standards sobre os motores dos mesmos, sem ouvir outras marcas. E que estes standards são tornados lei pelo estado, estaria correcto???
    É exactamente isso que se passou com o SAFT ou eu é que estou muito mal (in)formado.

  4. Já abordei o assunto da norma SAF-T-PT http://blog.pauloasilva.com/saf-t-pt/ . Neste deixo existem links para dois documentos disponibilizados pela ASSOFT: Manual V1.1 e estrutura de dados. Deixei também uma hiperligação para http://saftpt.com/ onde se pode ler “O site http://www.saftpt.com, é um projecto independente desenvolvido por um conjunto de programadores nos seus tempos livres. Não temos qualquer vinculo com entidades governamentais.”

  5. Pessoalmente, eu penso que tudo aconteceu pela via do ‘concurso público’. Como é natural, se a SAGE tem um produto que responde ás necessidades de gestão/facturação/PoS/etc, não vejo o drama de ter ganho esse mesmo concurso. Um dos pré-requisitos, era que o formato do saft-pt fosse aberto e disponibilizado, não fosse o mesmo obrigado a ser usado em todo o software. Chateia-me somente, o facto de imporem o saft-pt como uma norma e vejo casos de algumas PMEs em que usam PoS do tempo do MSDOS que já não têm suporte, que, com esta nova lei, são forçados a comprar um novo produto (e eventualmente PCs para responder aos requisitos do SQL Server e do próprio software).

  6. @ Gonçalo

    E algum desses, por não quererem/poderem investir em novo soft e hardware, estão a retroceder. Estão a voltar ao tempo das facturas pré-impressas e preenchidas á mão.

  7. Para quem de interesse informo que sou programador freelancer , e adopto softwares ou aplicativos a utilizar ACCESS , MySQL , SQLServer … ou outras do módulo SAFT-PT.
    O SAFT é obrigatório, mas nenhum cliente está sujeito ao monopólio dos gigantes.
    Apesar de eu cobrar por criar o módulo SAFT-PT , eu apenas cobro pelo meu trabalho e nada mais.
    Informo que eu crio o aplicativo e faculto o código fonte ao cliente , pelo que voçê pode posteriormente modificar ou fazer alterações, podendo ou revender ao ourtros cleintes poupando dinheiro.
    Deixo o meu email guto PONTO onidesk ARROBA gmail PONTO com

  8. Por acaso foi uma situação que me chamou á atenção quando andei á procura de informações acerca deste assunto.

  9. caro senhor

    apesar dos meus 76 anos ainda estou interessado em saber quanto custa o analizador saft-pt.

    com os meus respeitosos cumprimentos

    o toc pinho

  10. Ora boas a todos,

    Eu concordo plenamente com o António Campos…
    Eu comercializo um software alemão em Portugal, o qual pode facturar (ou não)…

    Ao procurar informação para o SAFT, tudo me mandava para o site do Sage. Temos que pensar que nem toda a gente domina bem as novas technologias como nós… E muita gente com falta de informação até deve ter pensado que teriam de ter o SAGE para poderem estar dentro da legalidade… Sem querer exagerar muito, este pequeno grande desvio das atenções, fez essa empresa tirar bons proveitos…
    Alguém postou e disse que “AGORA” já outros sites tem informação, do “INICIO DO ANO” até “AGORA”, teve toda a gente que se espetar na pagina da SAGE.

    Claro que isto é conspiração, há dúvidas??
    A pessoa que ganha os lucros do SAGE é certamente alguém importante que financiou as eleições… do partido actualmente no poder… alias, isso acontece em todo o mundo, imaginem “o que” e “como” acontece em Portugal!!

    Meus amigos, é Portugal… Solução para mim?? Juntar todos os politicos no parlamento e deixar cair uma bomba atómica, o problema era se fossem como as baratas…

    Com os melhores comprimentos,
    Nuno Pinto

  11. Amigos, animen-se, o “saft.pt” que a SAGE registou em que quem participou nesse site foi a “xweb.pt”, já foi á vida!!
    Gostava era de saber o que se passou, mas creio que terá sido a FCCN a tirar-lhe o dominio.

  12. boas

    pessoal eu ca sou do sap, estou numa seguradora a inplementar o saft-pt (descupem não dizer o nome)

    o plano de contas das seguradouras é diferente (pces), e com as validações estou a ver-me grego…

    alguem ja implementou em seguradoras?

    abraço

  13. Alguém tem um exemplo de um ficheiro da factura em formato xml, já de acordo com a portaria 1192/2009. Tem dado erros na validação e na estrutura do ficheiro não diz como deve ser o seu conteúdo, por exemplo CompanyID.
    Obrigado,
    Sergio

  14. Aqui vai um exemplo do Header:

    1.01_01
    401 19860902
    501706100
    F
    Nome da empresa

    Morada
    Fafe
    4821-909
    PT

    2009
    2009-01-01
    2009-12-31
    EUR
    2009-12-11
    Global
    501 000 000
    0
    CindySoftware/CinderelaConfecçõesLda
    v 2.1
    (351) 253-000-000
    (351) 253-000-000
    [email protected]
    http://www.xxx.pt/

    Cump.

  15. Olá Mauricio, obrigado pelo exemplo do header na 2ª. linha 401 19860902
    o que é o 401 e o que é 19860902, eu estou colocando CRC do Porto 99999 e dá-me erro.
    Abraços,
    Serio

  16. Mauricio este é o erro que dá no validador :
    Erro:O elemento ‘urn:OECD:StandardAuditFile-Tax:PT_1.01_01:CompanyID’ é inválido. O valor ‘401 40642’ é inválido de acordo com o respectivo tipo de dados ‘String’ – A restrição Pattern falhou. Linha: 5 Posição: 28.
    o meu email é [email protected]
    Obrigado,
    Sergio

  17. Mauricio el campo “UnitOfMeasure” unidad de medida que valores puede llevar. Dame un ejemplo.

  18. Será que vale a pena reflectir sobre o uso do XML como formato ?

    …é que, numa empresa média, para um ano, estamos a produzir um ficheiro com mais do que 5 GIGAS !!!!!, sendo que compactado, ultrapassa pouco os 100 Megas… não creio que o XML seja uma escolha adequada, pelo menos para grandes quantidades de informação.

    Talvez uma solução mista XML / Flat files, sendo que o XML apenas informe do formato dos flat files – os ficheiros que contêm a informação da empresa.

    E esta, heim ?!?

    (s.m.)

  19. Somos especializados na aplicação do SAFT-PT em softwares existentes.

    Aplicamos também em lojas virtuais , como OsCommerce , Vitua Mart … etc

Os comentários estão fechados.